Berenice Menegale

A pianista e professora Berenice Menegale demonstrou desde muito pequena seu pendor para a música. Seu professor até 1948 foi Pedro de Castro, aluno de Henrique Oswald. Estimulada por Guiomar Novaes, foi para a França em 1949, quando ingressou no Curso Superior do Conservatório Nacional de Paris, ali sendo orientada por Jean Doyen. Em 1951 e 52 permaneceu em Belo Horizonte, onde estudou várias disciplinas musicais com Sergio Magnani. Em 1953 voltou à Europa para estudar com Jozéf Turczynski, aluno de Busoni, e deu recitais na Suíça e na Itália. Voltou mais tarde à Europa para estudar na Academia de Viena, onde obteve o diploma de concertista.

De volta ao Brasil, percorreu o país em recitais e concertos com orquestras. Decidida a realizar um trabalho pedagógico e social em sua terra, regressou a Belo Horizonte onde, com um grupo de músicos, criou a Fundação de Educação Artística, movimento cultural – mais que escola -, cuja contribuição para a formação de músicos num ambiente de liberdade e de estímulo à criação tem-se estendido a centenas de jovens de todos os extratos sociais.

Foi professora na Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e atuou nas administrações de Belo Horizonte e de Minas Gerais como Secretária de Cultura. Como pianista prioriza em seu repertório aspectos culturais e renovadores. Executou séries integrais do repertório, gravou quase a totalidade da obra para piano de Stravinsky para a Rádio MEC e estreou numerosas obras de compositores mineiros nos Ciclos de Música Contemporânea da década de oitenta. Por 50 anos manteve um duo para piano e voz, com o barítono Eladio Pérez-Gonzáles (1926-2020). Tem participado dos Festivais de Maio dirigidos por Celina Szrvinsk e Miguel Rosselini ministrando master classes, além de dar aulas de piano na Fundação de Educação Artística.